quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

"Oh, arte! - O que não faço por você!"


"Seria de enlouquecer imediatamente qualquer um fraco de alma, e logo eu ficaria também caso tivesse de me embotar por dias inteiros; então - arrancado com as raízes do solo do meu fazer, como agora -, para não ficar louco, comecei a pintar, com o dedo trêmulo mergulhado na saliva amarga e usando as manchas do cimento, paisagens e cabeças nas paredes da cela, e fiquei olhando-as secar aos poucos, empalidecer e sumir nas profundezas da alvenaria, como se apagadas por uma mão invisível, fantasticamente forte.

Agora, felizmente, tenho de novo material para desenhar e escrever. Consigo trabalhar e assim suportarei o que senão seria insuportável. Para isso me ajoelhei, me humilhei, supliquei, orei, mendiguei, e teria ganido, caso não houvesse outra saída. Oh, arte! - O que não faço por você!"


[Em abril de 1912, o artista austríaco Egon Schiele fez desenhos e escreveu um diário durante os vinte e quatro dias em que esteve na prisão. Os dois parágrafos acima fazem parte da primeira página desse registro.]

Imagem: "A laranja era a única luz", 1912, Egon Schiele

Nenhum comentário: