domingo, 30 de setembro de 2012

Em cada canto de setembro


No parque, uma família chega e o cachorro, em disparada, escapa para se refrescar no lago.

No bar, peço um cozumel ao garçom e ele, todo sem jeito, responde que não tem mel.

No facebook, um amigo do ensino médio me chama de beato ao saber que estou solteiro. Pergunto se ele se casou e me surpreendo quando ele responde que está saindo do terceiro casamento.

No shooping, uma mulher pede para que eu a fotografe entre a mãe e a filha.

No cinema, um avô senta ao lado do neto para assistir o filme na fila da frente. De dois em dois minutos, o menino pergunta quanto tempo ainda falta para a sessão começar.

Na livraria, a primeira linha de um livro me convence que vale a pena comprá-lo: "No final ela morre e ele fica sozinho".*

No trabalho, um ex-aluno vira meu professor.

Na pamonharia, a dona, de cara amarrada, me atende com um muxoxo inaudível querendo me fuzilar com os olhos quando peço uma pamonha. Sendo o único cliente do estabelecimento, trato de comer rapidamente sem olhar em sua direção. Ao me dirigir até o balcão para efetuar o pagamento, percebo que ela tenta esconder, sem sucesso, um livro da coleção Sabrina: "Prisioneira da Paixão". Saio dali com um sorriso escondido no canto da boca.

[*] Citação do livro Bonsai de Alejandro Zambra.
Imagem capturada aqui.

sábado, 29 de setembro de 2012

Sorria, você está sendo filmado!


Sorria! O mundo desaba, o leite transborda, o grande amor não é exatamente aquilo que se espera, muito menos o emprego. Mas esperam que você sempre diga sim, que esteja acompanhado, perca peso, seja bom em tudo, engula o choro e sorria. Esperam que você seja tudo aquilo que todo mundo espera. Não adianta, você realmente está sendo filmado e "calculado, mesmo sem medida".



Imagem do filme O Show de Truman. Olhei aqui.

Vale de Agonias


Coisas que estão dentro do meu Vale de Agonias:

- Nossa Senhora Aparecida sem cabeça
- Broca de dentista
- Peruca de nobre francês
- Minhoca espetada em anzol
- Palito de fósforo usado
- Colher enferrujada
- Cachorro da raça pincher
- Cachorro de camurça daqueles que só balançam a cabeça
- Cusparada no meio da rua
- Bituca de cigarro
- Olhos vidrados de boneca de porcelana
- Bife de fígado mal passado
- Botox em rosto deformado
- Cabelo vermelho do Sílvio Santos
- Cigarro atrás da orelha
- Fonte Comic Sans
- Quadros de temas religiosos com efeito 3D
- Cheiro e cor de jenipapo
- Significado da palavra limbo
- Faustão

Imagem do jogo Limbo. Olhei aqui.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Janela Indiscreta


É noite de sexta. A brisa fresca me conduz até a janela do quarto. Enquanto a boca articula conversas sem fim ao telefone, meus olhos são pegos de surpresa quando noto que o vizinho do prédio ao lado, sem camisa, dança em frente ao espelho.

Simultaneamente, na porta da Igreja Batista, uma noiva desce do carro preto sem se importar com o vento que carrega seu véu para longe. Cercada por ajudantes prestativas, ela se posiciona na entrada do templo enquanto o fino tecido é recolocado em seu lugar.

Percebo que o vizinho dançarino empunha o que me parece um microfone improvisado e, além da dança, inicia uma performance digna de um show de rock.

Uma senhora sai da padaria andando lentamente e tenho a impressão que irá demorar uma semana para atravessar a rua. A noiva desaparece na nave da Igreja enquanto ouço sons de trompetes misturados ao burburinho de vozes em torno da piscina do condomínio de luxo que fica do outro lado da rua. Um casal, na sacada, olha a noite, enquanto conversam.

Já não escuto mais o som do coro da Igreja. As luzes de freio dos carros que contornam a Praça Cívica vão diminuindo à medida que o sinal se esverdeia. A velhinha ainda está na metade do caminho quando termino de falar ao telefone. 

Apoteose no show que o vizinho cantor executa. De cima da própria cama, imagino eu, ele dá um salto até o chão se contorcendo até desaparecer do campo de vista da janela. Tenho vontade de aplaudir, mas ele volta à cena e me faz perceber que o show ainda não terminou. 

Alguém pediu bis e eu nem notei.

Foto: Wolney Fernandes

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Fome de Instantes


Na maior parte do tempo não adianta esperar de mim reações rápidas. Eu não sei fazer isso. Preciso respirar fundo, cheirar o ar e sentir a temperatura da água com a ponta dos dedos. Eu preciso pensar para responder porque meus dois neurônios - coitados! - não valem por um bifinho. Preciso abrir arquivos, revirar fichas e navegar por mares de teias de aranha e oceanos de pó.

Demoro para pensar numa boa resposta, demoro para dormir, demoro para gozar, demoro para lembrar o nome das pessoas e com certeza vou ter Alzheimer.

Eu preciso de tempo, de espaço e do vagar que puder obter, roubar, mendigar, ganhar e merecer. Tenho fome de instantes porque o tempo talvez seja a única verdade inquestionável da vida.

Imagem capturada aqui.

sábado, 22 de setembro de 2012

Você não mora mais aqui


Reaprendi a achar graça no cotidiano. Voltei a estender a mão só pra sentir os pingos da chuva e entendi que nem tudo precisa ser monótono. Passei a acreditar que aquele pôr do sol foi feito só pra mim e que o gosto meio amargo do chocolate é mero acaso.

Consigo sorrir novamente sem fazer festa para encobrir o silêncio*. A beleza voltou para o seu lugar em cada canto, em cada tempo, em cada despertar.

Já ouço "Fica" do Chico sem que a última estrofe me prenda em pensamentos vagos porque o meu coração, antes vazio, transborda o perfume do agora.

"Diz que é pra tomar cuidado
Sou um desajustado
E o que bem lhe agrada, meu bem
Mas fica
Mas fica, meu amor
Quem sabe um dia
Por descuido ou poesia
Você goste de ficar"

Com o gosto dos alívios na boca, abro os olhos e percebo que você não mora mais aqui.

[*] Citação do livro Mrs. Dalloway de Virginia Wolf.

Compartilhamento


E o movimento da vida continua intocável.
Só queria compartilhar...

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Esperando a primavera chegar


Com um sentimento de fatalidade, procurei possíveis perfumes debaixo de um Ipê amarelo e acabei adormecendo ali mesmo, esperando a primavera chegar.

Foto: Rosi Martins

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Dezessete de setembro de 2012 - Segunda


A segunda-feira não chegou com os contornos dos começos. Desde a sexta eu já havia começado a anotar tudo que a memória conseguiu guardar para escrever em meu Diário Dezessete. É por isso que não há pausas para espaços porque tudo aconteceu em tão pouco tempo.

Chuvaprincesaveioregartodaquenturadanaturezaquesepreparaparaparirmaisumaprimaveraáguanoquartonachegadadaviagemmeucoraçãopareciaventilarsossegoseapesardocalorfoiotimoexperimentarossaboresgeladosdaquieaardênciarefrescantedeláentrepasseioseencantoscadacantoparecianovopelaretinadeolhosdemergulharemolduradosporsobrancelhasquesemovemindependentementevontadedeaçaíconversasemhoraparaterminar...

Os dias parecem terminar mais cedo com esse horário louco do sol se pôr. Entre o sábado e a segunda, Alanis Morissette apareceu por aqui para colocar cores nos sabores de sempre. Tanta coisa interessante vivida desde sexta que, se eu não tivesse presenciado tudo, eu classificaria esse final de semana como implausível.

O próximo se passará pouco tempo depois da epifania em busca de uma música que supere essa aqui.

"I'm slipping again
I'm up to old tricks off my wagon
I have no defense
I'm wreaking havoc
Wreaking havoc and consequence"

Imagem: Wolney Fernandes

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Sobre escolhas e apuros


Dedos e olhos percorrendo lombadas variadas até encontrar um livro que me defendesse do tempo infinito da internet e também me condenasse a horas de leitura sem fim.

É terça-feira, a aula foi cancelada e meu trabalho nunca prometeu nada além de algo comum, então sinto que tenho o direito.

Percebo o pontilhado que percorre parte da capa e meus olhos resolvem seguir aquela trilha quase invisível. Entro sem me importar com o título - "Bonsai" - e me detenho na epígrafe de Gonzalo Millán:

"A dor se talha e se detalha "

Feito criança que deseja ouvir sempre a mesma história antes de dormir passo ao primeiro parágrafo como de costume e o livro de Alejandro Zambra consegue colocar quietudes em mim:

"No final ela morre e ele fica sozinho"

Não consigo mais devolver aquelas palavras à estante da livraria. A vontade de devorar a obra em uma mordida só, me faz levar o livro pra casa. Me delicio com a profundidade de cada paragrafozinho e fico feliz pela escolha.

Leio quase inteiro, mas perto do fim, vem a vida e resolve ficar apurada.

Imagem: Wolney Fernandes